Crie o seu PADRÃO

Não tem como chegar ao fim do ano sem fazermos uma retrospectiva da nossa vida, das coisas que conquistamos, das que deixamos de conquistar e cumprir com a famosa listinha que costumamos fazer de metas.

Pela primeira vez consegui cumprir com o compromisso que ASSUMI COMIGO. Neste ano, com todas as coisas que realizei e das que não realizei, entendi que fazer tudo aquilo que desejamos é assumir um compromisso com a gente mesmo. O que não conquistei da lista, entendi que foi porque primeiro eu precisava entrar no caminho para alcançar a meta, precisamos passar por processos para chegar a algum objetivo. E esse caminho está sendo maravilhoso, encantador, enriquecedor para mim, tanto profissional como pessoalmente. Temos a tendência de sermos totalmente fieis aos outros e nos deixando para segundo plano. Penso que isso seja um erro. Claro que é importante sermos comprometidos com as pessoas, mas quando nos deixamos de lado e colocamos os outros à frente é que vem a frustração, porque a reciprocidade não é verdade. Confesso que em algumas situações esperei muito das pessoas, por isso falo que é frustrante, pois cada um está num momento da vida. Expectativa é do MAL.

Antes, tinha dificuldade em entender como manter o foco. Hoje, o que pude absorver deste ano é que para não sair da linha são necessárias algumas atitudes: escutar seu coração e não o que os outros dizem; acreditar na sua capacidade de realização; assumir esse compromisso de realização com você mesmo e não criar expectativa na atitude alheia. O ano de 2014 me ensinou que o que chamamos de foco é esse “assumir compromisso conosco”, direcionar nossa vida para aquilo que desejamos sem dar ouvidos às críticas, que nem sempre são construtivas. Todos querem dar opinião em nossa vida, todos querem nos mostrar a realidade das coisas, e todos não sabem nem o que fazer com a própria vida.

Que 2015 seja mais um ano de sucesso para mim e para todos. E para quem não sentiu o sucesso em 2014, assuma esse compromisso com vocês mesmo, da maneira que achar que te faça bem. O melhor para nós não é o que as listas de 10 atitudes para ser feliz dizem, mas sim o que o nosso coração sente de confortável para fazermos. Saia do padrão da sociedade, crie o seu padrão.

GQBL

Published in: on 23/12/2014 at 12:13  Deixe um comentário  

Ser anormal, “aos olhos dos outros”, é a minha essência.

Depois de muito tempo sem escrever aqui, consegui arrumar um espaço no dia pra desabafar um tiquinho. Um assunto que me vem incomodando há algum tempo e que precisava colocar pra fora é o rótulo que as pessoas colocam na gente pelo simples fato de não compartilharmos dos mesmos gostos que a maioria. Está difícil agradar todos. Mas está mais difícil ainda fazerem com que eu mude meus objetivos ou minha maneira de ser pra agradar alguém.

Muitos amigos sabem dos meus gostos musicais, intelectuais, culturais e alimentares. E todos eles respeitam, cada um tem suas características. O problema está nas pessoas que caracterizam tudo que é anormal a elas como defeito. Aí é onde devemos tomar muito cuidado para não nos deixarmos para baixo por causa de opiniões de pessoas que não têm a mínima importância em nossa vida. Confesso que me sinto supernormal e autêntica da maneira que sou. Para mim, quem é anormal é a pessoa que sai da sua personalidade e age de maneira que possa se sentir aceita dentro de um determinado núcleo. Já tentei fazer muitas vezes isso e o que tive como saldo foi a perda da minha essência. E para tentar reencontrá-la e me reencontrar foi uma das coisas mais difíceis de conseguir para mim. Agora que estou conseguindo me reidentificar com o que gosto e sou, assumir isso me faz ter certeza de que as pessoas têm que se contentar com o que sou.

Se não estiver agradando, a única coisa que posso dizer é: SINTO MUITO……..POUCO!

Published in: on 01/12/2014 at 19:04  Deixe um comentário