21 de Fevereiro – Dia Mundial da Língua Materna

Dia 21 de fevereiro é comemorado o Dia Mundial da Língua Materna. A Unesco lançará, nesse mesmo dia, a nova edição do Atlas Interativo de Línguas em Perigo no Mundo. Infelizmente, o Brasil está entre os países com maior número de línguas em extinção. 
Refletindo sobre essa notícia, fiz um flashback da minha vida escolar e diagnostiquei que ningém nunca teve ensinamento sobre a nossa verdadeira língua, a indígena. As pouquíssimas pessoas que a falam moram no norte do país, e quando eu digo pouquíssimas é porque são pouquíssimas mesmo. Em minha humilde opinião, penso que a causa disso são as modernidades que se instalam nas regiões onde as línguas indígenas eram ou que ainda são usadas por algumas pessoas e, com o passar do tempo, com a vinda dos novos dialetos, as pessoas deixam sua língua materna de lado para acompanhar os que chegam e então esquecem do próprio idioma.

Para quem quiser saber mais sobre essa pesquisa da Unesco, seguem algumas dicas de sites:

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1011720-5598,00-UNESCO+IDIOMAS+INDIGENAS+PODEM+SUMIR+NO+BRASIL.html

http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1011614-5603,00-BRASIL+E+TERCEIRO+PAIS+COM+MAIOR+NUMERO+DE+LINGUAS+EM+RISCO+DE+EXTINCAO.html

http://www.brasilia.unesco.org/

Published in: on 21/02/2009 at 00:22  Deixe um comentário  

Tolerância: em falta no mercado

desentendimentos

Ultimamente tenho tido contato com várias pessoas que têm reclamado de problemas de relacionamento no ambiente de trabalho. São tantas coisas que precisamos resolver no dia-a-dia, tantas pessoas em nosso convívio que se torna necessário adquirirmos pitadas de tolerância. Em minha opinião, temos o direito de falar o que queremos e precisamos, mas tudo depende da maneira que nos colocamos perante a situação-problema, depende dos termos usados na comunicação, depende do tom de voz que usamos, enfim, depende da maneira que abordamos o indivíduo.
Se soubermos nos posicionar com educação, conseguiremos emitir nossa mensagem adequadamente, de forma que a outra pessoa entenda. Tendo essas atitudes, desarmamos o outro com a nossa boa educação. Se o “fulano” entendeu e agiu educadamente e de acordo com a sua atitude, bom; se agiu de forma contrária, já não é um problema nosso, o importante é fazer sua parte e bem feita.
Educação cabe em qualquer lugar e momento, creio que se todos nós nos apoiássemos nesse princípio, teríamos menos problemas de relacionamento, principalmente no ambiente de trabalho. Um lugar com várias personalidades, todas querendo dar o melhor de sim, mas, infelizmente, algumas se portam de péssimos comportamentos para mostrar ao superior sua “capacidade” e prejudicam possíveis bons relacionamentos.

Published in: on 11/02/2009 at 22:04  Deixe um comentário  

Liberdade: temos ou não temos?

liberdade
Nunca conseguimos decifrar o que realmente é a liberdade. Geralmente, definimos como a sensação de não ter que dar satisfações e fazermos somente o que queremos, sem que ninguém nos impeça. Essa semana, lendo uma matéria sobre isso, refleti muito após a leitura e cheguei à conclusão que dificilmente alcançamos a verdadeira liberdade do meu conceito.
Vivemos num mundo de cobranças através de vários segmentos, entre eles a família, religião e sociedade, exatamente nesta ordem. Porém as três se resumem a um único ideal: manter as aparências de acordo com o que a sociedade nos impõe: tomar cuidado com nosso comportamento para que “os outros” vejam como somos responsáveis, educados, etc. Mas será que tudo o que a sociedade impõe é bom para nosso crescimento pessoal? Será que essas imposições são essenciais para alcançarmos o que consideramos bem-estar pleno? Vivemos presos nos conceitos que a cada dia cobram de nós, ou seja, não somos livres. Se formos analisar tudo, mas tudo mesmo que gostaríamos de fazer e a maneira que gostaríamos de agir em nosso dia-a-dia, vamos nos decepcionar com a vida que temos, com as filosofias medíocres e, o pior, vamos nos decepcionar com nós mesmos, porque perceberemos que nos deixamos influenciar.
Não existem regras do que é certo ou errado. Existem regras sim, mas cada pessoa com o seu particular. Somente nós sabemos o que vai nos prejudicar ou não, mas infelizmente nos prendemos às opiniões alheias com medo de fazer algo e sermos condenados por alguém. E é daí que pergunto: somos livres?
A matéria que li fez-me pensar muito e perceber que somente somos livres quando fazemos o que queremos sem nos preocuparmos com o que as pessoas vão pensar. É importante valorizarmos o que nos fará bem porque sabemos que vai nos fazer bem, e não só porque vamos receber elogios das pessoas do nosso convívio.
É válido pedirmos opiniões para quem nos quer o bem? Claro, mas desde que a opinião não nos deixe influenciar totalmente. Muitas vezes pedimos opiniões, mas isso não quer dizer que vamos fazer o que nos foi aconselhado, mas que pode servir para reflexão dos atos e por fim fazemos o que o nosso coração pede, poise nem sempre o que nos é dito é o certo. Ninguém sabe o que é certo ou errado para o outro, somente nós podemos diagnosticar isso. A melhor maneira é sermos sinceros com a gente mesmo.

Published in: on 10/02/2009 at 00:02  Comments (6)  

Saudade de uma época que não vivi

Todos os dias faço uma caminhada para exercitar um pouco. Cada dia coloco um tipo de música diferente para motivar.
Hoje coloquei Cazuza. Senti saudade de uma época que não vivi, ou melhor, que não curti. Afinal eu era muito nova quando o Cazuza brilhou e eu nem me importava para essas coisas.
Suas letras são magníficas, refleti sua personalidade, seu estilo de vida, que não foi nada reservada. Quando converso com pessoas que acompanharam tanto como fã ou apenas por noticiários, falam que ele tinha uma vida muito desregrada. Os não-fãs fazem todo tipo de crítica, mas esquecem de “ler” suas letras e comparar à realidade da época. Julgam demais o artista pelo ser humano Cazuza, pela vida que tinha.
Mesmo após tantos anos de seu sucesso, de sua morte, suas letras continuam atuais, suas idéias também.
Aconselho que vejam seus vídeos no youtube com as entrevistas, principalmente quem sempre o julgou pelo seu comportamento e não pelo seu trabalho.

Published in: on 06/02/2009 at 23:33  Deixe um comentário  

Nascimento

Hoje está nascendo algo que eu sempre quis ter e me dedicar: meu blog. Eu já tenho com outro domínio, mas infelizmente não aconteceu da maneira que gostaria. Espero que gostem deste, prometo dedicação total.
Bjos

Published in: on 04/02/2009 at 21:41  Deixe um comentário